Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Até que os Sentidos Transbordem

Poesia não são palavras que rimam, são palavras que sentem.

Poesia não são palavras que rimam, são palavras que sentem.

Até que os Sentidos Transbordem

28
Ago18

Justitia Mater

Nas florestas solenes há o culto 
Da eterna, íntima força primitiva: 
Na serra, o grito audaz da alma cativa, 
Do coração, em seu combate inulto: 

No espaço constelado passa o vulto 
Do inominado Alguém, que os sóis aviva: 
No mar ouve-se a voz grave e aflitiva 
D'um deus que luta, poderoso e inculto. 

Mas nas negras cidades, onde solta 
Se ergue, de sangue medida, a revolta, 
Como incêndio que um vento bravo atiça, 

Há mais alta missão, mais alta glória: 
O combater, à grande luz da história, 
Os combates eternos da Justiça! 

Antero de Quental
26
Ago18

Porque o Povo Diz Verdades

Porque o povo diz verdades, 
Tremem de medo os tiranos, 
Pressentindo a derrocada 
Da grande prisão sem grades 
Onde há já milhares de anos 
A razão vive enjaulada. 

Vem perto o fim do capricho 
Dessa nobreza postiça, 
Irmã gémea da preguiça, 
Mais asquerosa que o lixo. 

Já o escravo se convence 
A lutar por sua prol 
Já sabe que lhe pertence 
No mundo um lugar ao sol. 

Do céu não se quer lembrar, 
Já não se deixa roubar, 
Por medo ao tal satanás, 
Já não adora bonecos 
Que, se os fazem em canecos, 
Nem dão estrume capaz. 

Mostra-lhe o saber moderno 
Que levou a vida inteira 
Preso àquela ratoeira 
Que há entre o céu e o inferno. 

António Aleixo

22
Ago18

Se Eu Pudesse Trincar a Terra Toda

Se eu pudesse trincar a terra toda 
E sentir-lhe um paladar, 
Seria mais feliz um momento ... 
Mas eu nem sempre quero ser feliz. 
É preciso ser de vez em quando infeliz 
Para se poder ser natural... 
Nem tudo é dias de sol, 
E a chuva, quando falta muito, pede-se. 
Por isso tomo a infelicidade com a felicidade 
Naturalmente, como quem não estranha 
Que haja montanhas e planícies 
E que haja rochedos e erva ... 
O que é preciso é ser-se natural e calmo 
Na felicidade ou na infelicidade, 
Sentir como quem olha, 
Pensar como quem anda, 
E quando se vai morrer, lembrar-se de que o dia morre, 
E que o poente é belo e é bela a noite que fica... 
Assim é e assim seja ... 

 

Alberto Caeiro

20
Ago18

A Falência do Prazer e do Amor

Dantes eu queria
Embeber-me nas árvores, nas flores,
Sonhar nas rochas, mares, solidões.
Hoje não, fujo dessa idéia louca:
Tudo o que me aproxima do mistério
Confrange-me de horror. Quero hoje apenas
Sensações, muitas, muitas sensações,
De tudo, de todos neste mundo — humanas,
Não outras de delírios panteístas
Mas sim perpétuos choques de prazer
Mudando sempre,
Guardando forte a personalidade
Para sintetizá-las num sentir.
Quero
Afogar em bulício, em luz, em vozes,
— Tumultuárias [cousas] usuais —
o sentimento da desolação
Que me enche e me avassala.
Folgaria
De encher num dia, [...] num trago,
A medida dos vícios, inda mesmo
Que fosse condenado eternamente —
Loucura! — ao tal inferno,
A um inferno real.

 

Fernando Pessoa

17
Ago18

Língua Portuguesa

Última flor do Lácio, inculta e bela, 
És, a um tempo, esplendor e sepultura: 
Ouro nativo, que na ganga impura 
A bruta mina entre os cascalhos vela 
Amo-se assim, desconhecida e obscura 
Tuba de algo clangor, lira singela, 
Que tens o trom e o silvo da procela, 
E o arrolo da saudade e da ternura! 
Amo o teu viço agreste e o teu aroma 
De virgens selvas e de oceano largo! 
Amo-te, ó rude e doloroso idioma, 
Em que da voz materna ouvi: "meu filho!", 
E em que Camões chorou, no exílio amargo, 
O gênio sem ventura e o amor sem brilho! 



Olavo Bilac, in "Poesias" 

16
Ago18

Dez Chamamentos ao Amigo

Se te pareço noturna e imperfeita
Olha-me de novo. Porque esta noite
Olhei-me a mim, como se tu me olhasses.
E era como se a água
Desejasse

Escapar de sua casa que é o rio
E deslizando apenas, nem tocar a margem.

Te olhei. E há tanto tempo
Entendo que sou terra. Há tanto tempo
Espero
Que o teu corpo de água mais fraterno
Se estenda sobre o meu. Pastor e nauta

Olha-me de novo. Com menos altivez.
E mais atento.

14
Ago18

Por Vezes Fico Sozinha

Às vezes fico sozinha
Só contigo no espelho,

Tu na tua e eu na minha

A ver quem fala primeiro...

 

Chegas sempre quando eu chego.

Partes sempre que me vou…

Divididas no segredo

De seres a mesma que eu sou.

 

Gosto de te ver bonita

E com ar namoradeiro

De quem ama e acredita

Num amor mais verdadeiro.

 

Sinto a sombra dos teus passos

Quando deixo o camarim

E no palco dos abraços

Toda tu, dentro de mim.

 

Ver-te chorar põe-me triste.

Ver-te sorrir, mais contente.

Igual a ti não existe

Mesmo num mundo diferente.

 

Copias cada meu gesto

E do cabelo ao vestido

Tu és o corpo q´empresto

À alma que faz sentido...

 

Por isso o meu fado tem o nome

D´um rio que me corre para a foz

E as margens da cidade que não dorme

Espelham nesse Tejo a minha voz...

 

Paulo Abreu de Lima (letrista)

 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D