Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Até que os Sentidos Transbordem

Poesia não são palavras que rimam, são palavras que sentem.

Poesia não são palavras que rimam, são palavras que sentem.

Até que os Sentidos Transbordem

21
Jun18

O Dia é Feito

O dia está feito e a escuridão
Cai das asas da noite,
Como uma pena é levada para baixo
De uma águia em seu vôo.
                                                                                
Eu vejo as luzes da aldeia
Brilha através da chuva e da névoa,
E um sentimento de tristeza vem a mim
Que minha alma não pode resistir:
                                                                                
Um sentimento de tristeza e saudade,
Isso não é parecido com a dor,
E se assemelha apenas a tristeza
Como a névoa se assemelha à chuva.
                                                                                
Venha, leia para mim algum poema,
Alguns leigos simples e sinceros
Isso deve acalmar esse sentimento inquieto,
E banir os pensamentos do dia.
                                                                                
Não dos grandes mestres antigos
Não dos bardos sublimes,
Cujos passos distantes ecoam
Através dos corredores do tempo.

Pois, como cepas de música marcial,
Seus poderosos pensamentos sugerem
A vida é uma labuta e esforço sem fim;
E a noite eu anseio por descanso.
                                                                                
Leia de algum poeta mais humilde
Cujas canções jorraram de seu coração,
Como chuveiros das nuvens do verão,
Ou lágrimas das pálpebras começam;
Quem, através de longos dias de trabalho, E noites desprovidas de facilidade Ainda ouviu em sua alma a música De melodias maravilhosas.
Essas músicas têm poder para aquietar O pulso inquieto do cuidado, E vem como a bênção Isso segue depois da oração.
Então leia o volume estimado O poema da tua escolha E emprestar para a rima do poeta A beleza da tua voz.
E a noite será preenchida com música E os cuidados, que infestam o dia, Devem dobrar suas tendas, como os árabes, E como silenciosamente roubar.
Henry Wadsworth Longfellow

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D